sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

COMIDA DE AVIÃO

CARDÁPIO INTERNACIONAL DA AZUL ATUALIZADO



Recebemos da Azul Linhas Aéreas Brasileiras atualização sobre seu serviço de bordo internacional.
Que tal experimentar uma companhia aérea diferente? Bom apetite!!!!

(Texto e foto abaixo de responsabilidade da assessoria de imprensa da Azul)



Azul serve novo cardápio em voos internacionais para os Estados Unidos e Europa

 Menu ressalta características da culinária brasileira e traz o sabor e carinho da comida feita em casa

São Paulo, 19 de janeiro de 2017 – A Azul Linhas Aéreas passa a oferecer um novo menu para os voos internacionais com destino aos Estados Unidos e Europa, partindo de Viracopos, Confins e Recife.  O novo cardápio tem como principal objetivo valorizar o estilo comfort food e destacar as características da culinária brasileira, trazendo todo o sabor e carinho da comida feita em casa. No total, serão três diferentes combinações de cardápio, que podem variar de acordo com as origens e destinos do voo. As operações que partem de destinos internacionais para o Brasil também ganharão um novo menu.

“Estamos sempre pensando em como oferecer o melhor serviço a nossos Clientes. Nosso novo menu de bordo traz uma comida com gostinho de feita em casa e um toque de brasilidade, além de muita variedade e sabores marcantes. Além disso, nossos pratos são preparados todos os dias com muito carinho, deixando as refeições mais apetitosas. Com isso, temos certeza que a experiência Azul se torna ainda mais significativa”, afirma Claudia Fernandes, diretora de Marketing e Comunicação.

Na classe Executiva, os Clientes poderão optar por Ragu de cupim com mandioca cozida com manteiga de garrafa (foto), Escondidinho de mandioca com vegetais e até Xinxim de galinha com arroz de coentro, dependendo da época do voo, dentre outras opções. De sobremesa, o Cliente pode escolher entre brigadeiro de panela com paçoca de amendoim, bolo de churros ou bolo de macaxeira com cocada queimada, além de sorvete, frutas frescas da estação e queijos. Os pratos principais que serão oferecidos na classe Econômica também trarão opções típicas da culinária brasileira. A Azul vai oferecer picadinho de carne com arroz de espinafre e lagarto recheado com linguiça e purê de batata. A sobremesa conta com o brasileiríssimo pudim de laranja ou bolo gelado de coco.


Confira os cardápios completos abaixo:

Classe Executiva

Pratos principais:
- Costelinha de porco com cuscuz paulista
- Arroz carreteiro
- Ragu de cupim com mandioca cozida com manteiga de garrafa
- Filé de frango recheado com tomate seco e queijo coalho com cuscuz de vegetais
- Filé de frango recheado com castanha de caju e canjiquinha
- Xinxim de galinha com arroz de coentro
- Bobó de camarão com arroz de coentro e limão
- Moqueca de frutos do mar com arroz de leite de coco
- Escondidinho de mandioca com vegetais
    Foto ilustrativa


Sobremesas:
- Brigadeiro de panela com paçoca de amendoim
- Bolo de churros
- Bolo de macaxeira com cocada queimada


Classe Econômica

Pratos principais:
- Picadinho de carne com arroz de espinafre
- Lagarto recheado com linguiça e purê de batata

Sobremesas:
- Pudim de laranja
- Bolo gelado de coco




quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

NOTÍCIAS CAIXA PRETA

FINALMENTE O MILAGRE ACONTECEU
E A PASSARELA DE CONGONHAS
FOI REFORMADA!!! ALELUIA!!!

Foi inaugurada no final do ano passado e a visitamos nesta semana.
Ela já foi notícia aqui e em outros meios de comunicação pela sujeira, por ser insegura, por ter sido derrubada por caminhões pelo menos duas vezes etc. Mas, enfim, após muita novela, Congonhas pode agora ver sua passarela reformada!




A estrutura original foi mantida como base, pois é tombada. 
(E, de vez em quando, tombava de verdade!!!)




Uma praça em homenagem ao Cmte. Rolim.




O elevador já funciona




Tudo bem sinalizado.




Para ninguém se perder.




Está um pouco mais alta, para os caminhões não a derrubarem mais...




Corrimãos na escadaria.




Elevador.




Mais segurança e sem trepidações.





Mas...





A sinalização dos degraus já está soltando em vários deles.





Não se perca!





Cobertura e sinalização para cegos.





Nova praça vai surgir, entre as duas pistas da avenida.





Distâncias para as escadas.





Uma rampa ainda está em construção.





Mas os elevadores de ambos lados funcionam.





Ao fundo, o prédio da ANAC.





Infelizmente, a sinalização de degraus, menos de um mês desde a inauguração, solta, e a sujeira por parte dos transeuntes.





Mapa de sinalização com relevo em braile também.




Local para deixar o carrinho de bagagens.





Acessibilidade total. O projeto está de parabéns!!!


quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Plantão Caixa Preta

EXCLUSIVO!!!

LUFTHANSA: 

NOVOS TEMPOS NO AR!!! 


(Atualizado em 19 de janeiro)


No próximo dia 5 de fevereiro a companhia aérea Lufthansa estará em festa. Ela dará início às comemorações do centenário de seu maior símbolo, nada menos que seu conhecidíssimo grou (uma ave pernalta muito comum na Europa) em voo.


     (Foto: http://voandonanatureza.blogspot.com.br)

Na verdade, não foi a Lufthansa que idealizou esse símbolo. Ela o herdou da companhia Deutsche Luft-Reederei (traduzindo livremente, o nome significa companhia aérea alemã), ou simplesmente (D.L.R.).

    
      (Foto: http://www.timetableimages.com)

A DLR foi fundada em 17 de dezembro de 1917 e começou a voar em 5 de fevereiro de 1919 entre Berlim (aeroporto em Johannisthal) e Weimar em um biplano alemão AEG J.II  transportando 4 mil jornais e apenas um passageiro (como todos naquele tempo, bem corajoso, por sinal. Essa empresa foi a mais antiga companhia aérea regular do mundo a começar a utilizar aeronaves mais-pesadas-que-o-ar, visto que a DELAG, fundada em 1910 e também alemã, voava com dirigíveis.

    
      (Foto: arquivos de imagens da Lufthansa)


E o que aconteceu entre dezembro de 1917 e fevereiro de 1919? Nesse período o Professor Otto Firle, arquiteto e artista gráfico, desenhou um grou estilizado e a ave passou a simbolizar a DLR. O grou é uma ave alta dividida em 15 espécies e que existe em quase todo o mundo, especialmente no velho continente e ásia (mas não na América Latina), sempre simbolizando sorte, vida longa, força e graciosidade em voo.
Quando, em 1926, a DLH se juntou a outras companhias alemãs para dar origem à Deutesche Luft Hansa (1926-1945) o grou permaneceu. Essa companhia foi extinta com o fim da Segunda Guerra Mundial. Oito anos depois (1953) foi fundada a atual Lufthansa, que ressuscitou o nome (agora em palavra única) e o logo do grou, que apenas foi levemente modernizado até os dias atuais).



    (Fotos: arquivo de imagens da Lufthansa)

No ano de seu centenário e a partir da contagem regressiva de um ano até o centenário da DLR (ou seja, 5 de fevereiro de 2018 até 5 de fevereiro de 2019), a Lufthansa se moderniza novamente e o “Kranich” (grou, em alemão) passará a fazer parte também da nova “livery” de uma das mais importantes, famosa, tradicionais e gigantescas companhias aéreas de todo o mundo.


                 (Foto https://flughafenbb.wordpress.com:)



Serão apresentados dois aviões, o Boeing 747-8 D-ABYA e um A321 D-AISQ com a nova pintura (fuselagem branca e cor prata substituindo o amarelo) (conforme abaixo, com 99% de certeza), conforme afirma com exclusividade um leitor de nosso Blog, que prefere não se identificar. Ele nos enviou a arte abaixo, embora utilizando o A320:




D-ABYA está no hangar da empresa IAC (https://www.iac.aero/locations/rome/), no aeroporto Fiumicino (Roma) para a pintura.

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Plantão Caixa Preta

Embraer atinge estimativa de entregas para 2017

 (Por: assessoria de imprensa)

São José dos Campos - SP, 16 de janeiro de 2018 – A Embraer (NYSE: ERJ; B3: BOVESPA: EMBR3) entregou um total de 210 jatos em 2017, sendo 101 comerciais e 109 executivos (72 leves e 37 grandes). O volume de entregas ficou dentro da estimativa estabelecida para o ano que era de 97 a 102 jatos comerciais, de 70 a 80 jatos executivos leves e de 35 a 45 jatos executivos grandes. No último trimestre do ano foram entregues 23 jatos comerciais e 50 jatos executivos (32 leves e 18 grandes). Em 31 de dezembro, a carteira de pedidos firmes a entregar totalizava USD 18,3 bilhões.


A Embraer Aviação Comercial atingiu a marca de 1.400 E-Jets entregues. A aeronave comemorativa foi recebida pela American Airlines, que no trimestre também assinou um pedido firme para mais dez jatos E175. Durante o trimestre, a Embraer também recebeu um pedido firme para 15 E175 de um cliente não divulgado, além de um pedido firme da Belavia, Belarusian Airlines, companhia aérea nacional da Bielorússia para um jato E195 adicional da atual geração.

A Aviação Executiva revelou na NBAA-BACE (National Business Aviation Association’s Business Aviation Conference and Exhibition), realizada em Las Vegas, nos Estados Unidos, o Phenom 300E. A nova versão do jato executivo traz novidades de interior, sistemas de entretenimento e de gerenciamento da cabine de passageiros. Foram apresentadas também inovações nos jatos Legacy 450 e Legacy 500, que incluem preparação para o Sistema de Navegação Aérea Futura (do inglês FANS—Future Air Navigation System) e novas opções em conectividade e assentos.

A Embraer Defesa & Segurança anunciou no quarto trimestre que o novo jato de transporte militar e reabastecimento KC-390 completou um marco fundamental, com a demonstração pela Embraer à Força Aérea Brasileira (FAB) do atingimento da Capacidade Inicial de Operação (Initial Operational Capability – IOC). A aeronave também realizou uma série de testes em voo nos Estados Unidos como parte de sua campanha de ensaios para certificação. No período, a divisão de Defesa & Segurança assinou também contratos para a venda de 18 aeronaves A-29 Super Tucano, sendo seis para a Força Aérea dos Estados Unidos (que serão utilizados no programa A-29 no Afeganistão), seis aeronaves para a Força Aérea das Filipinas e outros seis modelos para um cliente não revelado.

Em Serviços & Suporte, a Embraer expandiu programas pool de peças de reposição e suporte de componentes reparáveis para a frota de E-Jets em operação com a Saratov Airlines, da Rússia, e a Austral Líneas Aéreas, companhia aérea doméstica da Aerolíneas Argentinas. Outro anúncio foi o estabelecimento de um centro de treinamento em Joanesburgo, na África do Sul, o primeiro do tipo na África a fornecer uma variedade de treinamentos em apenas um local, para pilotos qualificados, técnicos de manutenção e tripulações. Já no mês de dezembro foi lançada a plataforma TechCare, projetada para abranger um portfólio de soluções inovadoras e competitivas, com foco na melhoria da eficiência operacional, ampliando a vida útil das aeronaves e maximizando o potencial da frota.


Siga-nos no Twitter: @Embraer

Sobre a Embraer

Empresa global com sede no Brasil, a Embraer atua nos segmentos de Aviação Comercial, Aviação Executiva, Defesa & Segurança e Aviação Agrícola. A empresa projeta, desenvolve, fabrica e comercializa aeronaves e sistemas, além de fornecer suporte e serviços de pós-venda.

Desde que foi fundada, em 1969, a Embraer já entregou mais de 8 mil aeronaves. Em média, a cada 10 segundos uma aeronave fabricada pela Embraer decola de algum lugar do mundo, transportando anualmente mais de 145 milhões de passageiros.

A Embraer é líder na fabricação de jatos comerciais de até 150 assentos e a principal exportadora de bens de alto valor agregado do Brasil. A empresa mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviço e de distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.





-----------------------------------------------------------------

Nosso comentário: Continuamos torcendo pela Embraer, mesmo ela não sendo mais predominantemente brasileira, mas seu nome continua ligado ao Brasil. Os projetos que ela desenvolve junto com parceiros como a Boeing também são dignos de registro e orgulho e devem continuar – não acreditamos que a Boeing queira realmente comprar a Embraer, como mal divulgado pela mídia especulativa, mas em fazer crescer essa parceria, a que damos total apoio. (Solange Galante)


domingo, 7 de janeiro de 2018

Plantão Caixa Preta

SIM!!! O PT-ZNF VOLTARÁ A VOAR!!! MAS...


21/10/2014, Gavião Peixoto - SP - Foto: Tereza Sobreir (via Wikipedia)


(por Solange Galante)

Como nossos fiéis leitores percebem, continuamos acompanhando o caso do KC-390 que sofreu sérios danos durante um voo de testes no dia 12 de outubro de 2017, embora a Embraer negue...
Demos em primeira mão a notícia de a coisa havia sido séria SIM, após muita especulação via redes sociais e Whatsapp desde o dia do ocorrido até as vésperas de nossa primeira postagem, em 18 de outubro (vide: http://caixapretadasolange.blogspot.com.br/2017/10/plantao-caixas-preta.html), ( quando o post ultrapassou 3.300 acessos!!! ) seguida de outra, a saber: 

Aliás, somente no dia 8 de novembro a famigerada revista Aero Magazine publicou algo a respeito em seu site, alegando que havia descoberto "com exclusividade" o que havia mesmo acontecido com o avião (aliás, sem, no entanto, esclarecer de fato o que acontecera) e divulgamos isso no mesmo dia aqui no Blog: http://caixapretadasolange.blogspot.com.br/2017/11/noticias-caixa-preta_8.html

Publicamos sobre o KC-390 inclusive posteriormente:

Agora, começamos 2018 trazendo mais, e felizes, notícias! A engenharia da Embraer irá devolvê-lo ao céu, conforme informações que recebemos de nossa fonte exclusiva, conforme abaixo:

Em acréscimo, soubemos que o avião atingiu de fato 7 G negativos mas não no estol e sim na saída da vertical, quando ele saiu de dorso (o manche foi empurrado para a frente, num movimento de "picar") e desvirou depois em meio tunô.

Nunca duvidamos da competência da Embraer, de seus engenheiros, pilotos e do projeto em si, que eu pessoalmente admiro muito (embora tenham se esquecido de me convidar para o rollout dele, quando foi justamente o PT-ZNF) mas ela poderia ter sido mais transparente a respeito do caso. Alguma coisa a Boeing pode ensinar, quem sabe.









quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

SPEECH

SIM, VOAR É SEGURO. MAS, POR QUE MESMO?

(foto: Solange Galante)


No entanto, a reportagem limita as conclusões sobre esse resultado ao dizer "Foram mais de 36 milhões de voos comerciais em 2017, mais do que em qualquer ano na história. E, mesmo assim, o número de acidentes continua a diminuir. Isso se deve à tecnologia e ao rigor cada vez maior dos procedimentos de segurança."

Além desses fatores, óbvios que muito importantes, o treinamento dos pilotos também teve peso relevante. Um exemplo é o que aconteceu nos Estados Unidos depois do acidente de fevereiro de 2009 quando o voo 3407 da companhia Colgan onde 50 pessoas morreram perto da cidade de Buffalo (NY). (vide: https://aviation-safety.net/database/record.php?id=20090212-0). Foi o último acidente fatal com aeronaves de passageiros naquele país. A partir desse acidente a poderosa Federal Aviation Administration adotou três grandes regras para aumentar a segurança. Uma delas prolongou os períodos de repouso obrigatórios entre turnos para pilotos de avião de passageiros, mas não para pilotos de carga, uma disparidade que continua a ser disputada entre pilotos e alguns legisladores. Por isso que continuaram acontecendo acidentes com aeronaves cargueiras, como um do ano passado, com um avião Shorts 330 (vide: https://aviation-safety.net/database/record.php?id=20170505-0).

Outra regra da FAA exigiu treinamento recorrente para pilotos, incluindo sobre como evitar estóis, como aconteceu com o avião da Colgan e também com o Air France voo 447 sobre o Atlântico em 2009.

A terceira regra derivada do colisão do Colgan exigiu que os copilotos tenham as mesmas 1.500 horas de experiência de voo que os comandantes, com menos horas necessárias apenas para pilotos militares e graduados em faculdades (cursos superiores de aviação). O que as companhias aéreas e alguns legisladores criticaram, alegando que isso piora a falta de pilotos qualificados.

Polêmicas à parte, foram atitudes que renderam frutos. A se lamentar apenas que a aviação cargueira, cujos acidentes geralmente causam menos fatalidades por não ter passageiros na aeronave, exceto quando a queda ocorre em áreas residenciais, não tenha exigências semelhantes.

O importante é que fora dos EUA a segurança também vem crescendo, registrado-se apenas um acidente fatal a cada 7,4 milhões de voo, segundo a  Aviation Safety Network.

Fora da aviação comercial, tivemos mortes em acidentes aéreos em 2017 com aeronaves de pequeno porte (aviação geral), helicópteros, aviões e experimentais em vários lugares do mundo, inclusive no Brasil, o que exige que se mantenham vigilantes autoridades, pilotos e demais profissionais envolvidos para que a segurança aérea só cresça. Objetivo de todos.





r flight for every 7.4 million flights worldwide, according to the Aviation Safety Network.

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

PÉROLAS VOADORAS

***FELIZ ANO NOVO A TODOS MEUS LEITORES!!!!***


VANT NÃO É VAT!!!

Durante reportagem da série "Vida Conectada" do Jornal da Cultura em 17 de agosto de 2017, a repórter narrou "A guerra ao terror acelerou o desenvolvimento dos Veículos Aéreos Não tripulados", os VATS No Brasil, os VATS foram usados pelo Exército Brasileiro nas Olimpíadas, na Copa do Mundo (...)" etc
É o típico exemplo de falta de atenção. Se o veículo é aéreo "não" tripulado, estava faltando aí um "N", o correto é VANT. Com certeza, o entrevistado, representante do Exército, falou corretamente.
Para ilustrar, que tal dar uma olha nesse documento do próprio Exército disponível na internet?